Being a mummy

Where do I even start? / Por onde eu começo?

(O texto em português está disponível abaixo)

It’s the end of the year… and once again it’s time to reflect on what happened and how life treated me (and I treated it). If I think of what my life surprised me with since I last wrote on here (May 2014), I don’t even know where to start describing how much my life has changed. So much has happened! I had a baby (10 weeks earlier than expected!), I had my mum visiting us in the UK for the first time (super special), I had my sister over too (she is still here), I started my maternity leave, my relationship with Lee (partner in crime) has become something else… something different, something even better. There is a gorgeous human being called Louisa in our lives now and I guess when you have a baby you see your partner in a different light. It’s almost like you get each other more, small stuff stops being an issue and you realise that together you are stronger than you ever thought you could be.

2014 has been by far the best year of my life, without a doubt. I thought I had done it already, but, really, it’s the year when I met the love of my life, which is the way my friend Estelle describes having a child. When I saw my baby for the first time, it changed my world…

So here are the main things that I realised/found out in life post-Louisa…

1. You have more strength than you think… lots more!

A premature birth requires strength. I know it happens all the time, but when you are in that situation, you have no choice but to stay strong and believe things are going to work out. Louisa was born very early and the first few hours were very difficult. However, Lee and I never for one second believed that things wouldn’t work out just fine. And although Louisa is still being monitored, we have so much faith in our little one… so I guess the more strength you show, the more you have.

2. Patience comes when you need it

The first days of Louisa’s life were touch and go. We were eager to know if everything would be ok but, somehow, I was just patient with everything. I just felt calm. I have no idea where this serenity came from, but I just had it. Those who know me will know that I’m far from what you’d describe as a patient person, but I surprised myself. I wasn’t asking questions I knew couldn’t be answered, I wasn’t feeling anxious, I wasn’t panicking. I was happy to take a day at a time, to go with the flow. I quickly learned that the whole thing wasn’t a race, but a marathon.

3. You are not just you anymore

Ohhh… this is a big one. There will be a time in the life of every person that has a child when you suddenly realise that you are not on your own anymore. No, it doesn’t matter how much you wanted that child, how much you planned and prepared for that moment. One day, when you least expect it, you will realise that you will share countless experiences with them, help them with their problems, be there for them and go through happiness and sorrow with them. And you will realise that your job is to make sure that they can be the best they can be to go through life, with and without you. It’s scary to realise you have that much responsibility, but also reassuring to find out that you are more than up for the job.

4. A half ‘reflex’ smile can change your mood

No sleep, no time to eat, have a shower, to exercise, to meet friends, all those things that were so common in pre-baby life and that you miss dearly… all to be completely forgotten when your little one gives you half a reflex smile, that is not even a ‘real’ one yet. I know this real one will happen, though… in her own time. And when it does, I might just melt. (Gosh, this is all so cheesy and yet I can’t help myself!)

5. It’s true what they say… there is no time for anything

I know this is a cliche, but what did I do with all the time I had before? Lie-ins, lazy nights, movies, pub sessions… ermmm… not anymore! You sort of learn very quickly (well, you are forced to) to compartmentalize your life in little chunks of a couple of hours (if you are lucky), because this is the time you have between one feed and the next. Everything you do becomes a bit of a mission and the alarm to stop all you are doing (aka hungry cry) may go off at any time. Going out of the house becomes another crazy happening and sort of military operation. It needs to be carefully timed so that baby doesn’t start screaming when you are queuing at the post office. Adventurous stuff.

6. Your family and your true friends will be there for you

This is by far my main realisation with all that has happened this year. I decided to post on Facebook what was happening with our little Louisa, since she stayed in hospital for two months and people wanted news. The response I got was completely overwhelming. I am convinced that the positive thoughts everyone sent our way had a massive effect on Louisa’s recovery and it’s partly why she is now home with us.

My mum and sister also came to visit us for the first time since I’ve been living in the UK (13 years), my dad Kao and mum Iris were always in touch, sending messages every day (thanks, Whattsapp!) and many of my friends were there for me, to help, to hug me, to offer advice, to listen, to ask how things were going or simply to talk about something else and take my mind off it all. Some new friendships started in the midst of all that was happening, some others strengthened, others dissipated somehow but, whoever stayed, confirmed they are by my side for the long haul. And I’m so glad that they are.

7. Perspective is everything

Louisa is absolutely fine now. She is at home with no medical apparatus or anything like that. She is putting on weight steadily and growing each day. But we do know that the brain bleed that she had will need monitoring in the coming years. And this is fine. It doesn’t scare me, or Lee. It doesn’t phase us, really. We are in love with our girl and believe in her, whatever the future brings.

8. Love is all around!

The amount of love you feel when you look at your baby is something out of this world. Ok, cliche again. But I just feel so blessed for having been able to experience this in my life. It’s crazy that all the love that I felt pre-Louisa cannot compare in any way to the love I feel for her. It’s just on a different league. I know that this love got me through the tough times and I know that this love is what will keep me positive for the future.

All in all, what a year!

So long, 2014. Bring us all a brand new year, full of joy, health, family gatherings, happy moments, sincere smiles. And even more love, because there is always more space for it in our hearts.


 2014-11-28 23.09.49

_____________________________________________________________________________

Texto em português

É o final do ano e, mais uma vez, é hora de refletir sobre o que aconteceu na vida da gente. Se eu começo a pensar em como a minha vida me surpreendeu desde a última vez que eu escrevi aqui (Maio de 2014), eu nem sei como começar a descrever o quanto a minha vida mudou. Tanta coisa aconteceu! Eu tive um bebê (10 semanas mais cedo do que o esperado), minha mãe veio nos visitar aqui na Inglaterra pela primeira vez (o que foi muito especial), minha irmã também veio (e ainda está aqui), eu comecei a minha licença-maternidade, meu relacionamento com o Lee (parceiro de vida) se transformou em algo diferente, algo ainda melhor. Um serzinho lindo chamado Louisa faz parte da nossa vida agora e eu acho que, quando se tem um filho, é inevitável ver o seu/sua parceiro/a com outros olhos. É como se a gente se entendesse ainda melhor. As pequenas coisas já não importam e a gente se dá conta de que juntos somos mais fortes do que jamais achamos que poderíamos ser.

2014 foi o melhor ano da minha vida, sem dúvida nenhuma. Eu achei que isso já tinha acontecido, mas foi o ano em que eu conheci o amor da minha vida, que é como a minha amiga Estelle descreve ter um filho. Quando eu vi a minha bebê pela primeira vez, o meu mundo mudou…

Então aqui vai uma listinha do que eu percebi nesta vida pós-Louisa…

1. Você tem mais força do que imagina… muito mais!

O nascimento de um bebê prematuro requer força dos pais. Eu sei que isso acontece a toda hora, mas quando você se encontra naquela situação, a única opção é ser forte e acreditar que tudo vai dar certo. A Louisa nasceu muito cedo e as primeiras horas da vida dela foram muito difíceis. Contudo, o Lee e eu nunca paramos de acreditar que tudo daria certo. E, embora a Louisa ainda precise ser monitorada nos próximos anos, nós temos muita fé na nossa pequena. Isso tudo me faz crer que quanto mais força mostramos, mais surge de algum lugar.

2. A paciência vem quando precisamos dela

Os primeiros dias da Louisa foram bastante críticos. Nós queríamos muito saber se ela ficaria bem mas, de alguma maneira, eu consegui ser paciente com tudo. Sei lá, eu simplesmente me sentia calma todo o tempo. Eu não tenho nem ideia de onde surgiu toda essa serenidade, ela simplesmente começou a fazer parte de mim. Aqueles que me conhecem sabem que eu não sou muito paciente, mas eu me surpreendi comigo mesma. Eu não fiz perguntas que não tinham respostas, eu não me senti ansiosa, eu não me desesperei. Eu estava feliz em simplesmente viver um dia de cada vez, cada um com seus desafios, e deixar o barco correr. Eu logo aprendi que a situação toda não era uma corrida, mas uma maratona.

3. Você não é mais apenas você

Ohhh… esse é um ponto importante. Vai chegar um dia na vida de cada novo papai ou mamãe em que você vai se dar conta de que não está mais sozinho neste mundo. Não, não importa o quanto você queria aquele filho, não importan o quando você planejou tudo e se preparou para aquele momento da vida. Um dia, quando você menos esperar, você vai se dar conta de que vai dividir inúmeras experiências com aquele serzinho novo na sua vida, ajudá-lo com seus problemas, comemorar seus feitos e estar na vida deles para sempre, na alegria e na tristeza. E você também vai perceber que o seu papel é ter certeza de que ele/a possa ser o melhor possível, com ou sem você ao seu lado. Dá medo perceber que se tem tanta responsabilidade, mas também uma certa segurança de notar que se está mais do que pronto para o trabalho em questão.

4. Um meio sorriso de reflexo pode mudar o seu humor

Sono, sem tempo para comer, tomar banho, se exercitar, ver filmes, ver os amigos, todas aquelas coisas que eram tão comuns antes do bebê chegar e das quais agora você tem saudades… tudo é esquecido quando o bebê te dá um meio sorriso, que não é nem um sorriso real ainda. Eu sei que o sorriso de verdade vai acontecer logo… quando a Louisa estiver pronta. E quando acontecer, acho que vou derreter como um sorvete no sol (nossa, isso tudo é muito cliche, mas mesmo assim não consigo me conter!)

5. É verdade o que eles dizem… não se tem mais tempo pra nada

Eu sei que todo mundo fala a mesma coisa, mas o que eu fazia com todo o tempo que eu tinha antes? Dormir até mais tarde, noites preguiçosas, idas ao pub… ermmm, não mais! Logo você aprende a dividir a vida em pedaços de 2 horas aqui e ali, pois este é o tempo que você tem entre uma mamada e outra. Tudo o que você faz se torna uma missão e o alarme que manda você parar o que está fazendo (também conhecido como ‘choro faminto’) pode começar a tocar a qualquer minuto. Sair de casa se torna um acontecimento e meio que uma operação militar. Tudo tem que ser cronometrado para que não se corra o risco de o bebê começar a berrar de fome quando você está na fila do correio. Uma aventura e tanto.

6. A sua família e os seus verdadeiros amigos vão estar presentes

Esta é, sem dúvida, a maior revelação depois de tudo o que aconteceu este ano. Eu decidi postar no Facebook o que estava acontecendo com a Louisa, já que ela ficou no hospital por dois meses e as pessoas queriam notícias. O envolvimento das pessoas foi imenso. E eu estou convencida de que todo o pensamento positivo teve um efeito enorme na recuperação da Louisa.

A minha mãe e irmã vieram me visitar pela primeira vez aqui na Inglaterra desde que eu moro aqui (13 anos), meu pai Kao e mãe Iris estavam sempre em contato, mandando mensagens todos os dias (obrigada, Whatsapp!) e muitos dos meus amigos estiveram presentes, ajudando, me abraçando, me dando conselhos, me escutando, perguntando como estavam as coisas ou simplesmente falando de coisas completamente diferentes para me distrair. Algumas amizades começaram no meio de tudo o que estava se passando, outras se fortaleceram e outras se dissiparam, mas quem ficou do meu lado confirmou que está do meu lado pro que der e vier. E eu fico muito feliz com isso.

7. Perspectiva é tudo

A Louisa está super bem agora. Ela está em casa com nenhum equipamento médico. Ela está engordando todas as semanas e crescendo a cada dia. Mas nós sabemos que o sangramento no cérebro dela vai ter que ser monitorado pelos próximos anos. E isso não amedronta a mim ou ao Lee. Nós estamos apaixonados pela nossa menininha e nós acreditamos nela. Estamos prontos para o que o futuro nos trouxer.

8. O amor está por tudo

O amor que se sente quando se olha para um filho/a é indescritível. Ok, mais um cliché. Mas eu me sinto tão abençoada por estar podendo vivenciar isso na minha vida. É muito louco pensar que todo o amor que eu sentia antes dela nascer nem se compara ao amor que eu agora tenho por ela. É um amor que está em outro plano. Eu sei que este amor me ajudou a enfrentar momentos difíceis e eu sei que é este mesmo amor que vai me manter positiva no futuro.

Resumindo… que ano!

Tchau tchau, 2014. E que venha um ano novinho em folha, cheio de alegria, saúde, encontros familiares, momentos felizes e sorrisos sinceros. E ainda mais amor, porque sempre tem mais espaço nos nossos corações.

Categories: Babies, Being a mummy, Energy, Friendship, Happiness, Living away from home, Love matters, Relationships | Tags: , , , , , , | Leave a comment

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: